Archives for posts with tag: Poverty

Read this  (In Portuguese) and this (In English)

é impossível perceber a tragédia de Marikana sem avaliar como as corporações mineiras, sentadas sobre mais de 80% dos recursos mundiais de platina, criaram «uma comunidade de pobreza desesperada e tensões divisionistas». E sem compreender como a ganância das corporações, cujo único objectivo é o lucro, «tentou enfraquecer um sindicato estabelecido e a negociação colectiva em conivência com forças demagógicas».

Há, pois, muitas lições a tirar da tragédia de Marikana.

O ANC e seus aliados – portadores de um património de luta inigualável e inspirados pelos exemplos de heróis como Nelson Mandela e de outros patriotas – terão de estar à altura de responder aos desafios colocados e prosseguir a construção de uma África do Sul pacífica, democrática e progressista.

Indeed the above also requires that we undertake a serious analysis of some of the threats facing the working class in general and the progressive trade union movement in particular. This incident, as well as others before it in the recent period, should send a very clear message that there is a sustained attack and offensive against COSATU in particular. The SACP has also correctly warned that where our detractors and enemies sense some divisions amongst our ranks, then they always tend to go on the offensive. It might as well be important that these and other related matters needs to be discussed at the COSATU Congress next month, including frank analyses of the strengths and weaknesses of COSATU affiliates as well as some of the threats facing the federation as a whole. This discussion must not take the form of a lamentation or rhetoric, but must aim at concretely coming up with a programme to defend and strengthen COSATU, within the context of deepening the unity of our Alliance. Such a discussion at COSATU Congress must also concretely explore the possible relationship between, Marikana, the current global capitalist crisis, the further decline in the profitability of capitalism, and a renewed offensive to weaken the working class to defend declining levels of profits. For example to what extent are the tensions in the platinum mine-belt connected to the decreasing demand of platinum in an economic zone like the EU which is a major consumer of platinum for catalytic converters?

Advertisements

42% of Portuguese said that they’re budget is not enough to pay all necessary medical care as a study reported here. In the last six month 36% left to by all prescripted drugs due to the shrink of their income.

 

As conclusões do relatório mostram que a maioria dos inquiridos (65,5%) ainda recorre ao SNS, seguindo-se os seguros privados (22,5%) e a ADSE (22,1%). Mas o grande peso da utilização dos serviços públicos não parece estar a ser suficiente para cobrir as despesas de saúde, com 35,8% dos inquiridos a admitir que, nos últimos seis meses, deixaram de comprar medicamentos prescritos pelo médico por motivos financeiros. Aliás, dentro da OCDE, Portugal já está entre os países onde a despesa privada mais pesa na saúde e onde a despesa com medicamentos tem maior proporção.

À questão relativa às maiores preocupações em relação à saúde, numa escala de zero a dez, os inquiridos deram 8,72 pontos ao “receio de perde de qualidade no SNS”; 8,2 pontos ao preço dos medicamentos; 7,9 ao preço das taxas moderadoras e das consultas no sector privado e 4,83 ao faltar ao trabalho para ir a consultas. Por isso, quando confrontados com as áreas onde cortariam para poder manter o investimento na saúde, as obras públicas e a defesa foram os sectores escolhidos, por oposição à educação e à segurança social.

Já numa escala de zero a 20, no que diz respeito à confiança nos profissionais de saúde e instituições, os enfermeiros foram os que recolheram mais pontos (14,13), seguidos dos farmacêuticos (13,76) e dos médicos (13,57). Menos credibilidade têm os centros de saúde (10,61), os laboratórios farmacêuticos (10,54) e o sector social (9,64).

 

 

Enquanto 3 mil milhões de seres humanos – 45% da população mundial – sobrevivem com menos de 2 dólares por dia, 92 mil indivíduos – 0,001% da população mundial – possuem bens em offshores no valor 6,3 triliões de libras. 

When 3 thousand millions of people – 45% of the word population – survive with less than 2 dollars a day, 92 thousands, 0,001% of the world population – own assets in offshores that amount to 6,3 trillions pounds